Obaluaê

Obaluaê, Omolú ou Xapanã são alguns dos termos que nomeiam um dos principais deuses do Candomblé, da Umbanda e do Batuque: o Orixá das doenças e dos espíritos.

Apesar de possuir diversas capacidades, Obaluaê é popularmente conhecido pela alcunha de Senhor das Doenças. Este título, inclusive, é o responsável por transformar o Orixá em uma das mais temerosas divindades existentes, já que o mesmo tanto tem o poder de curar enfermos, quanto o de adoecer indivíduos saudáveis.

Obaluaê
Obaluaê

História de Obaluaê

  • Infância:

Obaluaê, filho de Nanã e Oxalá, nasceu com a pele repleta de lesões. A Orixá, ao ver a aparência do seu filho, repudiou-o, decidindo abandoná-lo na orla de uma praia para que lá ele morresse. Porém, Iemanjá acabou por encontrar com a criança, resolvendo pegá-la para criá-la e curá-la.

  • Personalidade:

Embora tenha sido acolhido por Iemanjá, o abandono de Nanã sempre impactou Obaluaê, o que acabou por torná-lo retraído e austero. Ademais, o Orixá também é tido como bastante tímido, devido às cicatrizes que se formaram das feridas que ele tinha, o que o leva a sempre vestir a Filá e o Azé, que são trajes de palhas que recobrem o tronco e o rosto do deus.

  • Descoberta:

Depois que cresceu, Obaluaê resolveu voltar ao local em que nasceu: a terra dos orixás. No dia em que fez isto acontecia uma grande celebração, na qual todos os deuses estavam presentes. Vendo a festa que ocorria, o Orixá, extremamente embaraçado, recolheu-se em um canto escondido, apenas observando a diversão dos outros. Porém, Iansã – a deusa dos ventos –, ao notar aquele desconhecido todo escondido por palhas, ficou intrigada e resolveu revelá-lo, mandando sobre ele uma ventania que o descobriu completamente. Quando a Orixá fez isto, todos viram um jovem com uma pele que emanava um intenso e belíssimo brilho, e não um corpo repleto de marcas, como temia Obaluaê.

Diferenças entre Omolú e Obaluaê

Os termos Obaluaê e Omolú são utilizados para representar o mesmo Orixá, porém, em circunstâncias diferentes e opostas – o que é possível apenas graças à capacidade da divindade de assentar-se em dois Tronos do Conhecimento de Deus.

Deve-se utilizar o nome Obaluaê toda vez em que o Orixá ocupar o polo positivo do Trono da Evolução, o que possibilita ao deus a habilidade de reger a evolução e a encarnação dos espíritos.

Já a designação Omolú deve ser empregada quando a divindade assentar-se no polo negativo do Trono da Geração. Isto confere ao Orixá o poder de reger a desencarnação e a condução das almas.

Qualidades de Obaluaê

Veja, logo abaixo, a listagem das principais qualidades de Obaluaê/Omolú:

  • Afoman: utiliza estopa e vestimentas amarelas e vermelhas; carrega consigo uma sacola, na qual leva as doenças da humanidade; anda com Ogum;
  • Akavan: utiliza vestimentas estampadas; anda com Iansã e Oyá;
  • Azoani: utiliza palhas e vestimentas vermelhas; anda com Iemanjá, Irokô e Oxumaré;
  • Azunsun: utiliza vestimentas brancas; carrega sempre uma lança; anda com Oxalá, Oxum e Oxumaré;
  • Jagun Àgbá: anda com Iemanjá e Oxalufan;
  • Jagun Ajòjí: anda com Exú, Ogun e Oxaguian;
  • Jagun Itunbé: come Igbin e não gosta de feijão preto; anda com Oxaguian e Oxalufan;
  • Jagun Odé/Ipòpò: anda com Ínlè, Logun, Ogun e Oxaguian.

Características dos Filhos

Os filhos de Obaluaê/Omolú são dotados de uma das personalidades mais angustiantes, sendo eles bastante relutantes, vingativos, derrotistas e queixosos. No entanto, esses indivíduos possuem qualidades que se equilibram com os aspectos citados, como a sua extrema fidelidade e dedicação com quem eles prezam.

Candomblé e Igreja Católica

Em razão de haver a diferenciação entre Omolú e Obaluaê, o Orixá foi sincretizado a dois santos: Obaluaê foi associado ao São Roque, o santo que é tido como o padroeiro dos molestados; Omolú foi relacionado ao São Lázaro que, além de ser o pai dos pobres e dos leprosos, é popular por conhecer a passagem da vida, já que foi ressuscitado em uma de suas mortes.

Na Umbanda

Obalauê representa para os umbandistas um dos orixás maiores e é comumente designado como a divindade das moléstias e da cura. Ademais, na Umbanda, não é tão frequente que haja a distinção entre Omolú e Obaluaê, o que influi na sincretização do Orixá, sendo isto feito de acordo com os costumes dos fiéis de cada região.

Oferendas ao Obaluaê

O prato normalmente oferecido como oferenda ao Obaluaê/Omolú é o Dorubu, o qual é caracterizado pelo preparo bastante simples.

Para fazê-lo, primeiramente deve-se estourar, com óleo ou areia, milho de pipoca; depois, deve-se dispor a pipoca em um alguidar e enfeitá-la com coco em lascas.

Obaluaê
3.3 (66%) 10 votes

2 respostas para “Obaluaê”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *