Xangô

Se existe um orixá que é ao mesmo tempo admirado e temido é, sem dúvida, Xangô. Trata-se de uma divindade africana responsável pela justiça, assim como pelo fogo, trovão e raios.

Também conhecido como Shango, Sango e Badé, Xangô foi um rei na cidade de Oyo e é geralmente representado empunhando um oxê, que nada mais é do que uma espécie de machado que possui duas lâminas.

Quando uma pessoa sofre alguma injustiça ou deseja agir de forma justa em uma determinada situação deverá pedir ajuda a Xangô. Confira a seguir a sua bela história.

Xangô
Xangô

História de Xangô

Xangô é filho de Bayani e marido de Oxum, Obá e Iansã. Uma das lendas mais famosas sobre ele relata sobre uma importante batalha. Segundo a mitologia africana, Xangô liderava um exército enquanto os seus opositores eram bastante impiedosos.

Todos os homens de Badé que eram capturados sofriam tortuosas mutilações e execuções, cujo propósito era mostrar a Xangô o poder que detinham. Após perder um grande número de homens, ele resolveu meditar no alto da pedreira para elaborar um plano de combate. Logo, ele começou a observar que eram jogados ao pé da montanha os corpos dilacerados dos seus guerreiros.

Tomado pela ira, Badé começou a bater forte com o seu machado contra a pedra, o que ocasionou no surgimento de fortes faíscas que se assemelhavam a coriscos. Assim sendo, ele começou a bater com mais força de modo que atingiu os seus inimigos. Consequentemente, Xangô se saiu vencedor.

Ao aprisionar os seus inimigos, os ministros de seu reino pediram que Xangô destruísse todos eles como forma de justiça, uma vez que eram os opositores muito impiedosos. Porém, ele não concordou e disse que o seu ódio não poderia ultrapassar os limites próprios da justiça. Os guerreiros cumpriram ordens dos seus líderes, e estes sim mereceriam sofrer a ira de Badé.

Desta forma, ele empunhou o seu machado em direção ao céu e gerou vários raios que destruíram os líderes inimigos, enquanto os guerreiros libertos resolveram servi-lo com fidelidade e lealdade.

Características e Qualidades

São dadas a Xangô 9 qualidades, a saber:

  • Afonjá: O governante de Ilorin;
  • Obá Kosso: Título recebido ao fundar a cidade de Kossô;
  • Obá Lubê: Refere-se a toda a sua riqueza e poder;
  • Obá Irù: Título recebido logo que alcança o apogeu do império;
  • Obá Ajaká: Referência ao filho mais velho, herdeiro do trono;
  • Obá Aganjú: Personificação dos vulcões;
  • Obá Orungã: Dono da atmosfera;
  • Obá Ogodô: Bocejo de Xangô quando se troveja;
  • Obá Jakutá: Representação própria da justiça.

Na Umbanda

Xangô é o orixá da justiça, da sabedoria e da política. Para tanto, representa-se o seu poder com uma balança, a qual indica o equilíbrio dos julgamentos.

Na Umbanda, Badé é identificado como São Jerônimo, cujas homenagens e festejos são realizados todo dia 30 de Setembro, sendo esta data a do seu falecimento ocorrido em 420 d. C.

Candomblé e Igreja Católica

No sincretismo religioso entre o candomblé e o catolicismo, Xangô é representado com os seguintes santos: São José, São Miguel Arcanjo, São João Batista ou São Pedro.

Oferendas

O Amalá é o prato favorito de Xangô. O seu preparo é simples. Basta separar os seguintes ingredientes:

  • 500 gramas de quiabo;
  • 01 cebola;
  • 01 rabada cortada em 12 pedaços;
  • 250 gramas de fubá branco;
  • Azeite de dendê.

Modo de Preparo

Cozinhe a rabada com a cebola no dendê. Em outra panela, refogue a cebola no dendê, separe 12 quiabos e corte os demais em finas rodelas. Junte a rabada cozida.

Faça uma polenta e forre uma gamela. Ponha o refogado e enfeite com os 12 quiabos de cabeça para baixo.

Saudação

Diz-se “kaô kabiessillê”.

Filhos de Xangô

Uma característica bastante peculiar de Badé é que ele detesta doenças, morte e tudo que já morreu inclusive os eguns (ou espíritos desencarnados), pois existe uma probabilidade de que ele seja uma espécie de imã que os atrai facilmente.

É por isso que dizem que quando um dos seus filhos está prestes a morrer, algo em torno de 6 ou 7 meses antes Xangô o entrega a Omulu ou a Obaluaê. Possuem postura nobre e sempre andam acompanhados. Gostam tanto do poder quanto do saber.

Xangô
5 (100%) 3 votes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *