Irmã Dulce: História, Vida, Oração e Dia de Irmã Dulce

Maria Rita de Sousa Brito Lopes Pontes, conhecida mundialmente como Irmã Dulce, foi uma beata brasileira que viveu durante o século XX.

Tendo recebido grande renome pelas obras de caridade que desempenhou em prol dos pobres, essa religiosa é considerada uma das pessoas que mais colaborou com a história do Brasil. Inclusive, ela possui grandes chances de se tornar a primeira Santa Católica que nasceu no país.

Irmã Dulce
Irmã Dulce

Quem foi Irmã Dulce – História e Biografia

Maria Rita, filha de Augusto Lopes Pontes e de Dulce Maria de Souza Brito, nasceu em 26 de maio de 1914, na capital da Bahia, em Salvador.

Ainda na infância, a religiosa começou a demonstrar grande compaixão pelos pobres. Aos 13 anos, por exemplo, ela passou a abrigar moradores de rua e doentes; também, foi nessa época que a menina começou a desejar uma vida religiosa. No entanto, antes de seguir por esse caminho, Maria Rita acabou ingressando no ensino superior e se graduando professora.

Assim, foi apenas em 1933, depois de ter concluído o curso, que a beata ingressou em uma ordem. Ela se mudou para São Cristóvão, no Sergipe, onde adentrou na Congregação das Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus. Pouco tempo depois disso, Maria Rita jurou os votos perpétuos, tomando o hábito de freira; desde então, ela passou a utilizar o nome Dulce, um tributo à sua mãe, que havia falecido anos antes.

Posteriormente, a religiosa retornou a Salvador, onde passou a lecionar em um dos colégios de sua congregação. Concomitantemente a essa função, ela continuou a acolher os necessitados, que era o trabalho que realmente a completava.

Assim, em 1935, Dulce começou a se dedicar mais a essa tarefa. Ela passou a assistir os moradores de Itapagipe, uma comunidade extremamente pobre. Nesse bairro, a beata, com a ajuda do Frei Hildebrando Kruthaup, fundou a União Operária São Francisco, a primeira das muitas organizações que os dois religiosos idealizaram e projetaram.

Em 1939, mesmo ano em que criou o Colégio Santo Antônio, Irmã Dulce fez algo que a marcaria pelo resto de sua vida; sem lugar para alojar os mendigos que havia recolhido das ruas, ela invadiu cinco residências desocupadas, todas estas localizadas na Ilha dos Ratos. Embora tenha sido rapidamente expulsa das casas, a beata continuou a procurar por outros locais, até que obteve, em 1949, o consentimento para ocupar o galinheiro do Convento de Santo Antônio, que deu origem ao Hospital Santo Antônio – um grande e qualificado centro de saúde.

As obras sociais da religiosa tiveram muita repercussão, até mesmo internacionalmente. As suas ações foram tamanhas que, em 1980, na primeira visita do Papa João Paulo II ao Brasil, Dulce foi convidada pelo pontífice para receber a benção de suas mãos. Também, a beata foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz de 1988, além ter se encontrado novamente com João Paulo II, quando ele a visitou no seu leito de morte, no ano de 1991.

Dulce faleceu no dia 13 de março de 1992, com 77 anos. Ela foi beatificada alguns anos depois, em 2011, pelo Papa Bento XVI.

Frases de Irmã Dulce

Irmã Dulce também se tornou conhecida pelas suas frases, as quais sempre apresentaram grande apelo espiritual e emocional.

Dentre as expressões da beata, as mais célebres são:

  • “O amor supera todos os obstáculos, todos os sacrifícios. Por mais que fizermos, tudo é pouco diante do que Deus faz por nós”;
  • “Sempre que puder, fale de amor e com amor para alguém. Faz bem aos ouvidos de quem ouve e à alma de quem fala”;
  • “Miséria é a falta de amor entre os homens”.

Obras Sociais Irmã Dulce

A OSID, mais conhecido como Obras Sociais Irmã Dulce, consiste em uma organização particular de cunho filantrópico. Ela foi projetada pela beata e persiste até hoje, sendo formado por 17 filiais.

Esses núcleos tem grande importância no cenário baiano, uma vez que eles disponibilizam vários serviços à população carente, atendendo diferentes faixas etárias e atuando em diversas áreas – como saúde e educação.

Oração à Irmã Dulce

Desde que foi beatificada, a adoração à Irmã Dulce cresceu bastante entre os cristãos católicos, de modo que as orações destinadas a ela se popularizaram com grande rapidez. Em geral, essas preces possuem o intuito de clamar por auxílio na concretização de graças e de causas impossíveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *